quarta-feira, 28 de setembro de 2016

"Romeu e Romeu"

O amor. Todo mundo sonha encontrar aquele a quem te dê aquele frio na barriga, até quem jura de “pé junto” que não lá no fundo também quer mas, por alguma razão tem lá seus motivos pra não dizer. Sabe quando você encontra aquela pessoa que te faz faltar o ar e que te enche de  motivos para suspirar, que te manda um sms só pra saber se está tudo bem, tipo aqueles romances de Shakespeare? Pois é se isso não aconteceu ainda com você, fica calmo que vai acontecer, o amor pode estar por aí, ou até mesmo pertinho de você só que você tá procurando tanto que as vezes você só precisa esperar e prestar atenção, e hoje é o amor que me veio falar um pouco com vocês.
Navegando pelo You Tube como de costume, encontrei uma serie que fala de amor, uma serie LGBT e que preciso dizer já tô apaixonadíssimo “Romeu e Romeu” é uma adaptação de claro “Romeu e julieta” e não poderia ser melhor, a série foi lançada no you tube dia 22 de julho e só agora que tive a sorte de encontrar acredita!? (Obrigado you tube) que me recomendou a serie tem sido gravada aos poucos mais o roteiro tá incrível uma boa dica pra você que assim como eu ama um romance LGBT, além de tratar de um assunto mega importante o Parkinson Precoce. Assistam tenho certeza que vocês não irão se arrepender. Eu não me arrependi.




e agora só pra finalizar, os episódios já estão disponíveis no You Tube e pra dar aquele gostinho pra vocês o teaser oficial da série “Romeu e Romeu”




  



sexta-feira, 1 de abril de 2016

O abismo é bom?

quando “assumi” minha identidade pro mundo, já tinha na bagagem, experiências do processo vista através de amigos meus e sabia que não era uma tarefa fácil, pensei muitas vezes em não “sair do armário” que por sinal estava muito bem lacrado, com certificação do IMETRO e tudo mais (risos), eu era medroso, e não sabia qual seria a reação dos meus pais, ou na verdade sabia e por isso acho que por vezes ensaiei falar e na hora do arraso, voltei atrás, eu não achava que devia falar, era algo pessoal e que não dizia e até hoje não diz respeito a eles, mas tinha que falar  mesmo sabendo que eles não entenderiam, afinal eu já havia levado algumas, ”namoradinhas” pra transar no meu quarto, o que deixaria tudo mais confuso ainda pra eles, mas já era adulto e não podia mais viver me escondendo. Um amigo sempre dizia “entre a dúvida e a certeza existe um abismo” e naquela época esse abismo era a moradia dos meus pais. Em certos momentos dessa moradia eu fui feliz, mesmo que fosse uma felicidade criada, as conversas com minha mãe e algumas conversas constrangedoras com meu pai me deixavam, relativamente confortável, mas chega um momento da vida e não sei dizer se é dessa forma com todo mundo, mas foi assim comigo, que aquele “abismo” não me servia mais, e que eu precisava fazer algo para que a felicidade ensaiada fosse mais que aquilo e então abri o jogo. Pela primeira na vida fui verdadeiro comigo mesmo e com meus pais, me senti aliviado por enfim, sair daquele “abismo”.

queria dizer pra vocês que depois disso, foi perfeito que meus pais aceitaram de bem e que eu me tornei feliz por completo, mais esse não é o proposito aqui, na verdade é dizer que assumir ou não assumir é um direito seu, talvez você se sinta preparado pra falar um dia, talvez nunca fale, mais não se engane e nem se martirize como eu fiz, o “abismo” pode ser bom pra alguém,(pra mim não foi inteiramente bom) não significa que você deve fazer o mesmo, o lance é; sair ou não do “abismo” é um questão interna, então se você está nesse dilema, fica calmo, respira fundo gay e faz o que seu coração e o que você tem vontade, de resto, no abismo ou não você só vai saber quando fizer alguma coisa, então até lá, seja feliz !

sexta-feira, 11 de março de 2016

E quem poderá dizer?

Quem é você?

Parece uma pergunta simples né!? E para algumas pessoas é, isso por que elas sabem quem são, mas nem sempre as pessoas verdadeiramente sabem ou procuram saber quem são aí já é problema de cada um (ou não). Falo por mim, queria poder dizer que cresci sabendo quem eu era, o que queria e onde me encaixava, mas não foi assim por que nem sempre eu soube quem verdadeiramente era (falo da minha aceitação como gay) foi um processo demorado cheio de dúvidas que só tirei com as experiências que tive, quisera eu ter sido ensinado sobre tais coisas, mas a sociedade sempre fez das minhas dúvidas “aquilo que não mencionamos” (linha Valdemort como eu costumo dizer) assim como existem as outras várias aceitações, personalidade, estilo e etc. dentre essas coisas comecei a pensar em mim, de como eu era e como sou hoje, ou como sempre fui e aos poucos fui aceitando isso, ai me veio o tal questionamento sobre minha “identidade” e assim falar sobre o que penso sobre “identidade de Gênero”. Antes de fazer esse texto procurei ler e tentar entender sobre o assunto que não conhecia bem, de fato ainda não conheço de verdade, mas, minha mania de sempre me pôr no lugar do próximo me fez refletir, entender e respeitar tais coisas que eu nem sabia que presenciava.
Sempre achei que sabia o que era identidade de gênero e podia ter uma opinião baseada somente pela palavra o que era totalmente errado de minha parte tecer comentários sobre o assunto, mas aí depois de pesquisar bastante percebi que não era errada a minha visão era apenas sem embasamento. Falar sobre identidade é basicamente conhecer a si próprio, perceber dentro de si quem é, e mostrar ao mundo, (não obrigatoriamente), quando se sabe essas coisas sobre você mesmo não tem erro, você não precisa de mais nada para estar bem consigo o mesmo, o problema é que assim como na homossexualidade as pessoas ainda sim continuam achando que tem o direito sobre o outro e querer pelo outro determinar quem eles são, está complicado? Perai que eu explico melhor, as pessoas continuam tentando fazer com que as pessoas que se entendem, sabem quem são e o que querem, e pensam diferente da massa, sejam forçadas a seguir o “padrão”, vou dar um exemplo: “não é por que a maioria gosta de azul, que eu vou ser obrigado a gostar de azul se eu gosto de rosa” e mesmo que o gosto ou quem eu seja, ou como eu me sinto seja uma questão somente minha, as pessoas ainda têm o costume de querer dizer o que eu devo fazer ou o que eu devo ser.
A identidade de gênero é particular e pertence a cada indivíduo, já que “Deus” nos fez e nos deu o livre arbítrio, ou seja o poder de escolher, é ai que entra uma outra coisa que deve ser levada em consideração, a sexualidade assim como a identidade de gênero não é uma escolha, por que escolher significa que você pode mudar, e se for o caso talvez seja você que não se descobriu ainda , você nasceu assim, caso contrário ninguém escolheria ser gay, ou ser homem e estar no corpo de uma mulher e vice versa, por que seria mais fácil fazer parte de um todo do que ser uma metade incompleta. Entendo perfeitamente que cada um tem uma visão diferente sobre identidade de gênero, mas se você não é “trans” assim como eu você nunca vai entender, o fato é que nem precisa entender somente aceitar, identidade de gênero existe isso é fato, e que você também tem uma opinião sobre isso também é fato o que não dá é você querer interferir na vida do “coleguinha” apenas por que você é bitolado e não tem mente aberta sobre essas coisas, então antes de fazer qualquer comentário ou réplica das coisas que eu tô falando, se conheça de verdade, e responda pra si mesmo, quem é você? Até por que, quem além de você terá essa resposta, acho que ninguém ne!?


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

TUDO NOSSO, NADA DELES!

                                                      TUDO NOSSO, NADA DELES!

Negro, gay, 25 anos, morador de Macapá-ap norte do brasil, estudante de artes da universidade federal do Amapá (UNIFAP).
Dentre todas as minhas redes sociais gosto e utilizo muito o facebook, twitter, instagram, Snapchat, periscope, you tube, ok! Eu uso todas, mas essa depois de algumas semanas hoje tive um daqueles delírios de lembrar de um evento que me marcou e que eu saberia que em algum momento eu escreveria, pois bem aqui estou. Vagando pelas minhas redes sociais fui pego por um compartilhamento de um de meus “amigos” no facebook na qual é o motivo real dessa publicação, o compartilhamento falava sobre o primeiro transexual a se formar na (UNB) e seu marcante discurso na hora de sua formatura, assisti atentamente e totalmente orgulhoso pela pessoa em questão no vídeo e suas palavras me tocaram de forma capaz de depois de algumas semanas vir escrever sobre isso aqui.
É incrível como alguém pode ter o dom de te fazer pensar em coisas que você vive as vezes diretamente as vezes indiretamente de toda forma, me senti aquele rapaz em cada palavra que dizia, mas de forma que eu mesmo me fizesse questionar o “por quê” de tantos fatos, mas vamos direto ao ponto.
Eu me pergunto e pergunto aos demais em conversas “por quê” sim por que? As pessoas não nos aceitam (gays) a ponto de não nos respeitarmos e isso não vem somente entre gays e heteros vem de um todo, por que as pessoas têm medo do que é diferente? Por que as pessoas zombam de nossa cor? Por que as pessoas se incomodam como as pessoas se vestem? Por que as pessoas se acham no direito de agredir verbalmente o gay só por que ele “dá pinta”, por que nós gays fazemos o mesmo entre nós? Por que ter essa concorrência? Por que ter categorias em cima categorias nos tornando cada vez mais pessoas de subclasses e esquecendo que todos somos uma espécie só, não vou ser hipócrita e dizer que sou diferente, posso hoje estar pensando nesses “por ques” mas hora ou outra eu deslizo na costumeira reação de me recaio a ser igual a todo mundo, mais é que aquele discurso me fez pensar em mudar de atitude em ser alguém que seja talvez um pouco mais benevolente, e pensar melhor em uma sociedade como um todo, mas sempre defendendo as minorias por que venho delas.

Em um trecho do discurso ele diz “ ainda aguardamos pelo o dia em que o preto estará mais no rosto do que nas becas e as travestis estejam mais nas escolas do que nas ruas, e se esse dia não chegar a gente toma, nada nos foi dado, por que agora seria? Mais ainda vai chegar o dia que outros tantos como eu estarão aqui e poderão dizer tudo nosso e nada deles”
Todo mundo tem seus princípios e seus pré-conceitos, mas o que eu coloco aqui não é sobre as minorias, é sobre um contexto geral do ser humano, por que nós fazemos isso com o outro? Ainda não descobri o motivo e talvez eu nunca descubra e passe o resto da vida com essa lacuna, mas hoje tenho certeza que tentarei ser manos juiz e júri e seja mais aberto e livre sobre minhas atitudes e como mudar coisas que pra mim podem não ferir o outro, mas que sempre irão me fazer ser questionador, e por mais difícil que seja pra nossa sociedade entenda nossas diferenças, talvez não sejamos os diferentes, talvez o outros que estejam acostumados a serem iguais, e dessa forma eu possa viver bem com todos, acreditando fielmente que  ainda vai chegar o dia que outros tantos como eu estarão aqui e poderão dizer tudo nosso e nada deles”

Eles que não nos toleram e não nos respeitam não como gays, negros, índios, judeus, umbandistas, evangélicos, mas sim como seres humanos.

terça-feira, 17 de março de 2015

IMITANDO A VIDA REAL



Em tempos remotos nós já existíamos, mas erámos evidenciados de forma negativa, como uma “doença” e assim como nós, tudo que nos cerca (de maneira geral) já existia tanto quanto, e até em maior evidência, só que de maneira “normal”, a prostituição já existia, as relações difíceis entre famílias já existiam, assassinatos por tão pouco e mais ainda a corrupção em nosso País. Agora em tempos de Lava jato e escândalos como a Petrobras ver as pessoas se preocupando em ver na novela, quem beija quem, e ainda fazer críticas sobre isso, querendo ver a “Tradicional Família Brasileira”. Pois bem falemos dela.
“Família Tradicional” composta por Marido, Esposa e filhos (geralmente dois). Marido e Pai que sustenta a família. Esposa que cuida dos filhos. Crianças que estudam pro seu futuro, pronto feita analise simplificada, que as pessoas querem ver na televisão. Agora acredito eu que se a Novela é uma imitação da vida real, contada da visão de uma pessoa também posso contar a minha. Marido e Pai, que sustenta a família. E que provavelmente vive um casamento de anos, tem relação com outra mulher (ou homem) amante. Esposa que cuida dos filhos e que deve ter um relacionamento como outro homem (ou mulher) amante. Filhos onde um é cafajeste (mas tudo bem a sociedade tá acostumada com gente assim) e o outro certinho (que deve ser gay e tem medo da família saber ) e até  mesmo a sociedade. Olha essa análise tá parecendo com a sua vida ?! não? Ah , mais provavelmente você conhece alguma família assim. e que família não tem problemas? sejam lá quais sejam , todo mundo , entendam meus caros leitores ninguém é perfeito e querer ver na novela, ou em filme ou em qualquer lugar que for essa perfeição não vai fazer a sua vida melhorar , ou simplesmente se espelhar nessa ficção, ta feio você querer ser a estrela de novela de uma história contada por outro, faz melhor amor , faz a tua novela, com beijo ou sem beijo gay, com puta ou sem puta, mas para por favor de fazer comentários achando que a sua família é a "Tradicional Família Brasileira “ acorda Alice , se tu quer ver o País das Maravilhas, Toma e Rivotril, por que só em sonho que tu vai achar a família perfeita .

quinta-feira, 12 de março de 2015

GAYFRIEND




Pensando na diversidade do Brasil, nos seus sotaques étnicos e suas diversas culturas decidi fazer algo diferente e mostrar o meu ponto de vista, tendo como base a minha relação com os meus amigos Héteros, que obviamente são muito bem resolvidos em relação a sua sexualidade a diferença que temos é que essas diferenças são tão pequenas que ter preconceito por que eu gosto de homem é pura bobagem.
Nunca fui a favor dessa história de contar pra todo mundo que se é gay, até por que nunca vi ninguém contando pro todo mundo que era Hétero, então não tem por que, mas a sociedade principalmente em nosso meio de homens uma hora vai querer saber como saber que o cara é gay, se você homem não tem dúvidas quanto a sua sexualidade então você sabe exatamente o que eu vou dizer. A maioria dos homens que não tem problema algum em ter amigos gay, se diverte mais com a gente do que a gente com eles, somos praticamente iguais só muda uma coisa é que entre quatro paredes eu vou preferir estar com um cara, do que uma mulher e certamente esse meu amigo Hétero sabe que eu esse cara não será ele então não se preocupa muito. Gay é exatamente igual a um Hétero o que muda é só seu gosto sexual, o que os Héteros deveriam levar mais em consideração é que sobra muito mais mulheres pra eles, além de que nós gays (eu no caso) só tenho amigas lindas, então a vantagem do homem ser meu amigo é que eu vou apresentar uma delas pra ele.

A convivência que tenho com meus amigos é tão intensa que o fato de ser gay é um detalhe tão pequeno que é pura bobagem, nós conversamos de tudo, mulher futebol, Victória’s Secret, que presente dar pra namorada, que presente eu dou pro namorado, e ainda tem amigo meu que se “rasga” mais do que eu que sou a “bichona” pra sociedade e não tá nem ai. Eu acho lindo esses caras que são Héteros tem total convicção de sua sexualidade e que não ficam neurados se vou entrar no vestiário e ver um deles pelado, ou que vão me cumprimentar com um abraço e não vão pirar por acharem que isso vai me despertar um interesse, até por que esses meus amigos têm exatamente o que todo homem tem quando tá pelado, então pirar por causa disso é problema exclusivo do homem que tem sua sexualidade em dúvida. A intimidade entre amigos é tão grande que até as brincadeiras mais bizarras me deixam mais constrangidos que eles, ai eu fico pensando que todo homem tinha que ter um amigo “veado” para ajudar a se vestir melhor, olha por que tem uns que se vestem tão mal que se não atraí mulher, gay que não vai atrair. Acho lindo da parte dos meus amigos que sempre vem me perguntar – “E ai tu me pegavas?” Ou “Eu tô gato?” (risos) incrivelmente tirar um elogio de mim é como ganhar a noite , do tipo em que você ouve a resposta – “Se tu tá falando é por que hoje eu vou comer uma menina” (risos) inacreditavelmente olho isso de uma maneira tão bonita o fato de que pra eles não interessa quem eu tô comendo ou tô dando , ainda sim vão fazer uma gracinha me chamando de passiva ou o ativo, tanto faz , eles querem mesmo é estar na minha companhia exatamente como eu sou e sem se preocupar se o “otário” quem tem preconceito vai achar que ele também é gay , afinal de contas enquanto ele pensa isso eu tô apresentando meu amigo para as minhas amigas gatas , Ah e só pra lembrar eu também tenho amigos Gatos. bjo

domingo, 1 de março de 2015

EU NÃO TENHO PRECONCEITO, MAS...

Há alguns minutos atrás eu li um certo artigo que falava da tão desejada "aceitação" e quando a mesma vem, alguns acham que tudo vai voltar ao "normal" o que é uma grande mentira , é nesse exato momento em que outra coisa começa, "o problema do gay" é esse nome que a minha mãe começou a dar as minha "viadagens"  , o que na verdade na mais é do que seu próprio preconceito, com as frases "eu não tenho preconceito, mas..." Após essas frases começam a vir suas instruções como se eu precisase de manual, " ah ! Gay não precisa ser rasgado" ,afeminado, e umas outras detenções que todo hetero fala, ok eu entendi, agora vejam só , quando contei ao meu "melhor amigo" ele me solta tipo "não tenho preconceito , mas só não vai dar em cima de mim" ele esqueceu a parte em que eu já tinha visto ele nu , já tínhamos dormido na mesma cama, e até pegado a mesma menina, e que ele não fazia meu tipo , e de repente para de me ligar, chamar pra sair e outras coisas que costumávamos fazer juntos , #acorda só daria em cima dele se fosse o Chris Evans no mínimo. Já a minha mãe, vem achar que agora que "eu sai do armário" tenho que pelo menos ficar pendurado nele, como apresentar o namorado para seus amigos como "O amigo", não beijar em público e no máximo com a mão nos ombros , outro dia já queria até que eu mudasse meu status do facebook pra "namorando" mais não queria que eu marcasse meu namorado. E logo em seguida vem com a história de não tenho preconceito, aham senta lá Claudia. 
E ainda tem mais sempre que a gente tem uma discussão ela vem com a frase "nós te aceitamos" sim! E dai? Eu nunca precisei ser aceito eu já me aceitava, nunca senti necessidade de contar e já que vocês sabem o mínimo é respeitar, então Vamos parar de encobrir sua falsa aceitação com frases preconceituosas do tipo " eu não tenho preconcieto, mas..."
Sejamos mais tolerantes , já que eu tento ser tolerante com as intolerantes posições evangélicas que insistem em vir falar com toda a autoridade do mundo no "Deus" deles que vão levá-los ao céu , e que nos somos aberrações , como da minha decadente amiga MARA MARAVILHA , ( que digamos de passagem não tem nada de maravilhosa naquilo) todos temos opniões sobre isso agora se eu dou meu cu, ainda sim ele continua sendo meu, se eu vou pro "inferno" por fazer isso ainda assim continuar sendo meu problema, e tá na hora das pessoas entenderem que sim, tem gay, na novela, por que existe gay na vida real.